Home Política Greve da PM pauta discursos dos deputados

Greve da PM pauta discursos dos deputados

45
0
SHARE

Foto: Tonico

Ales abre os trabalhos de 2017 e segurança pauta discursos

Greve da PM pauta discursos dos deputados na Ales

Assembleia Legislativa do Estado do Espírito Santo (Ales) realizou na segunda-feira, dia 6, a instalação dos trabalhos da sessão legislativa de 2017. O caos que tomou conta do Espírito Santo com o protesto de familiares na porta dos batalhões da Polícia Militar (PM), que impede o policiamento ostensivo de ser prestado, pautou o discurso dos deputados presentes em Plenário.

O deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) disse que era a favor do movimento, mas pediu que os policiais voltassem às ruas. “Nenhum movimento pode comprometer o Estado dessa forma”, destacou. Ele lembrou que a reivindicação deveria ser feita no momento correto, pois o País passa por uma crise econômica grave. “Minha posição é a favor dos policiais, assim como dos professores, médicos e outros servidores que estão sem reajuste, mas a crise não é invenção. A receita do Estado hoje não comporta aumento”, afirmou.

O Pastor Marcos Mansur (PSDB) ressaltou que a sessão deveria ser festiva, mas se tornou de lamentos e deu um panorama na situação em Cachoeiro de Itapemirim. “Virou uma cidade-fantasma, com carros e caminhões entrando nas lojas no Centro e saindo lotados. Recebi várias ligações de donos desesperados e nós de mãos atadas. Faço um apelo ao Governo para acenar com uma conversa”, disse.

Ele ainda recomendou a criação de uma comissão na Casa para ajudar no diálogo entre a categoria e o Executivo. “A coisa passou do ponto, talvez nem o movimento esperasse isso. Sugiro uma comissão para auxiliar na condução do diálogo. Quem vai pagar a conta dos prejuízos e das vidas perdidas?”, indagou.

Crítico contumaz do Executivo, Sergio Majeski (PSDB) questionou o fato de o Estado ter ficado sem governo. “Ficou três dias sem governador, desde quarta à noite já circulava nas redes sociais que os parentes dos policiais estavam se organizando e o Estado ficou sem governador e ao Deus-dará. Só hoje o vice-governador assumiu e o secretário de Segurança ficou fazendo bravata”, lamentou.

Por fim, ele lastimou a falta de capacidade de diálogo do Governo com os manifestantes. “O governo não tem diálogo com ninguém. O Estado deveria mostrar sua capacidade de gestão e não ficar ameaçando os policiais, mas encontrado um caminho. O governo precisa dialogar”, concluiu.

O que achou dessa matéria?
[Total: 0 Média: 0]

SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here