Home Mercado PM garante segurança durante greve de rodoviários

PM garante segurança durante greve de rodoviários

84
0
SHARE
A Polícia Militar (PM) garante a segurança da população durante greve de rodoviários – Foto: PM-Dcs

A Polícia Militar montou um esquema de segurança especial para esta terça-feira, dia 26, em toda Região Metropolitana da Grande Vitória. Isso porque, devido à greve dos rodoviários, a população que depende do transporte coletivo tem encontrado dificuldade para se locomover.

De acordo com o com o coronel Nylton Rodrigues Ribeiro Filho, comandante geral da PMES, desde as 4h de hoje as equipes de Força Tática estão nas garagens dos ônibus garantindo a segurança de rodoviários. Além disso, a partir das 5h foram disponibilizadas equipes compostas por alunos sargentos e rondas ostensivas nos terminais, para dar segurança aos usuários do Sistema Transcol. “Nossa prioridade para este dia de greve dos rodoviários é garantir a segurança da população e de rodoviários nas garagens e terminais”, pontou.

O coronel Nylton informou ainda que ao longo do dia a Polícia Militar vai continuar monitorando as atividades do transporte público que, até o momento, transcorrem normalmente.

Prejuízos no comércio com a greve de ônibus

Prejuízos para o Comércio em dezembro com a greve do Sindirodoviários – Foto: Fola Vitória

A estimativa para a queda no movimento das lojas por conta da paralisação da circulação dos ônibus na Grande Vitória gira em torno de 30 a 40%, variando de acordo com a localização do comércio. Mas o fato é que, em média, todos são atingidos pela queda no fluxo de pessoas quando há uma greve como essa.

Considerando os principais municípios atingidos pela greve de ônibus na Grande Vitória: Vitória, Serra, Vila Velha, Cariacica e Viana, o PIB diário do comércio desses municípios e o percentual de queda no fluxo, é possível estimar que os prejuízos alcancem a cifra de R$ 8,6 milhões por dia.

Entretanto, os prejuízos causados ao comércio ainda não podem ser mensurados de forma efetiva, pois envolvem outras variáveis que somam no cálculo final. Além da queda nas vendas, o comércio poderá ser prejudicado com os atrasos ou até mesmo com a falta de funcionários que dependem desse transporte. Nesse caso o trabalho e o atendimento ficam deficientes. Já aqueles que optarem por buscar os funcionários em casa ou pagar uma condução alternativa terão um custo maior.

Tudo isso, certamente, representará uma queda no fechamento esperado das vendas para o mês de dezembro e, sendo essa situação postergada, o comércio da Grande Vitória iniciará 2018 amargando esse prejuízo.

Fecomércio emite nota referente a greve

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES) emitiu uma nota de posicionamento para a greve anunciada pelo Sindirodoviários na terça-feira, dia 26 de janeiro de 2018.

Segundo a Nota da Fecomércio-ES, o seu posisionamento referente a greve do Sindirodoviários diz que A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES) compreende a reivindicação da classe trabalhadora e se solidariza a luta. No entanto, não pode esquecer do ano difícil para a economia brasileira.

A greve da Polícia Militar, no começo de 2017, trouxe prejuízos na ordem de R$ 2,4 bilhões para o Espírito Santo, por conta da paralisação forçada do setor produtivo. Neste período, o transporte coletivo também parou pela falta das garantias mínimas de segurança aos seus trabalhadores.

Também houve um grande número de feriados no ano em curso. A estimativa é que tenham acarretado um prejuízo de meio milhão de reais para o comércio capixaba.

Tudo isto num ano que marca a retomada do crescimento da economia, e que poderia ter sido ainda mais impactante sem tantos entraves.

Esta última quinzena do ano, como se sabe, é o período de maior movimentação no comércio por conta do Natal e do Ano Novo. É a oportunidade que muitos do comércio têm para amortizar os danos financeiros sofridos durante o ano.

A expectativa da Fecomércio-ES é que haja bom senso por parte do distinto sindicato e da classe por ele representada de não manterem a paralização em um momento decisivo para a economia e para os lares de milhares de capixabas. O comércio conta com o apoio de todos os senhores.

Nota dia 26 de Dezembro de 2017

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Espírito Santo (Fecomércio-ES) compreende a reivindicação da classe trabalhadora e se solidariza a luta. No entanto, não pode esquecer do ano difícil para a economia brasileira.

A greve da Polícia Militar, no começo de 2017, trouxe prejuízos na ordem de R$ 2,4 bilhões para o Espírito Santo, por conta da paralisação forçada do setor produtivo. Neste período, o transporte coletivo também parou pela falta das garantias mínimas de segurança aos seus trabalhadores.

Também houve um grande número de feriados no ano em curso. A estimativa é que tenham acarretado um prejuízo de meio milhão de reais para o comércio capixaba.

Tudo isto num ano que marca a retomada do crescimento da economia, e que poderia ter sido ainda mais impactante sem tantos entraves.

Esta última quinzena do ano, como se sabe, é o período de maior movimentação no comércio por conta do Natal e do Ano Novo. É a oportunidade que muitos do comércio têm para amortizar os danos financeiros sofridos durante o ano.

A expectativa da Fecomércio-ES é que haja bom senso por parte do distinto sindicato e da classe por ele representada de manterem a paralização em um momento decisivo para a economia e para os lares de milhares de capixabas. O comércio conta com o apoio de todos os senhores.

O que achou dessa matéria?
[Total: 0 Média: 0]
SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here