Home Lazer “Museu Antigo Egito à Pompeia” na Serra

“Museu Antigo Egito à Pompeia” na Serra

224
0
SHARE

Programação para o fim de semana nos shoppings da Serra e Grande Vitória

Entre peças originais e réplicas, a exposição reúne relíquias que resgatam parte da história da humanidade e um acervo inédito na América Latina – Foto: Divulgação

Por Iris Carolina Miguez

O Shopping Mestre Álvaro, na Serra, recebe de 14 de outubro a 10 de dezembro o museu itinerante “Antigo Egito à Pompéia”, que consiste em uma exposição de peças arqueológicas, entre 161 originais e 147 réplicas, pertencentes aos períodos distintos do Antigo Egito e da Terra Santa, e de Pompeia, um dos sítios arqueológicos mais completos e impressionantes de toda a história humana. Como se trata de uma exposição histórica, acontecem visitas guiadas e escolas podem agendar horário, com direito a uma palestra sobre o Antigo Egito e um documentário exclusivo sobre Pompeia. A exposição ficará aberta de segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados, das 12h às 21h. O ingresso custa R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada).

O objetivo de Maisur Musa é “estimular o exercício da busca pelo conhecimento”, por isso o ingresso é nominal dando o direito ao visitante de retornar à mostra várias vezes para apreciar, pesquisar e entender cada vez mais sobre essas riquezas.

Antigo Egito

Entre as peças originais que estão na seção Antigo Egito, há um deus cananeu de aproximadamente 2000 a.C., candeias desde 2000 a.C. até 700 d.C., vasos, moedas, etc. Entre as réplicas, há três do Faraó Tutancâmon como a Máscara Mortuária, um manequim que servia para provas de roupas e joias e o Ka dele (seu representante virtual após a morte) de aproximadamente 1323 a.C., famoso porque em sua tumba lacrada foi encontrado o maior tesouro reunido do Egito Antigo; o Busto da Rainha Nefertiti, de aproximadamente 1.330 a.C, famosa peça por ser considerada a mais bela mulher da antiguidade; e quatro múmias, onde pode-se ter a real ideia de como ficavam as cores e medidas dos corpos que foram conservados após a morte, bem como conhecer o processo de mumificação. Há também um sarcófago egípcio e um cananeu, onde a principal característica era a fisionomia do morto retratado.

Pompeia – A seção Pompeia mostra um pouco da cultura, do cotidiano e da tragédia que envolveu milhares de pessoas que perderam suas vidas abruptamente pela fúria do Vesúvio, numa tarde do ano de 79 d.C.. Reunindo 91 peças originais, que datam de 200 a.C. a 300 d.C., e 87 peças entre réplicas e fac-símiles, a exposição visa à recriar ambientes cenográficos e levar o visitante a descobrir como era o cotidiano da elite e da população de Pompeia e Herculano.

A erupção do vulcão Vesúvio devastou Pompeia e cidades próximas, criando uma espécie de cápsula do tempo onde casas, pessoas e todos os seus pertences ficaram sepultados sob cinzas, lama e terra por séculos, até que em 1748 iniciaram as primeiras escavações arqueológicas. Os arqueólogos descobriram milhões de artefatos e itens que revelam todos os detalhes da vida do povo romano na época do desastre. Devido às circunstâncias, suas vidas foram imobilizadas pelo tempo de forma excepcional e, hoje, soma-se mais de 1.150 corpos de pessoas e grande número de animais também foram descobertos.

O Vesúvio espalhou uma nuvem mortal de rochas, cinzas e fumaça a uma altura de mais de 30 quilômetros, cuspindo lava e púmice a uma proporção de 1,5 milhão de toneladas por segundo, e liberando no total uma energia térmica centenas de milhares de vezes maior do que a do bombardeamento de Hiroshima. Estima-se que 16.000 cidadãos de Pompeia e Herculano morreram.

Por circunstâncias únicas criadas pela erupção, foi possível “trazer de volta” a vida de muitos deles, pois as cinzas que os cobriram criaram cápsulas ocas em que as partes moles dos corpos se pulverizaram ou carbonizaram e as cavidades ao serem preenchidas com gesso revelaram com exatidão as posições, as formas e os traços fisionômicos daqueles que haviam morrido acerca de dois mil anos atrás.

Exposição “Heróis” para o Shopping Moxuara

Fotos: Lucas Calazans

Goku voando próximo ao Convento da Penha. Os X-Men na praça de Itacibá. O líder dos Transformers chegando a Cariacica pela Segunda Ponte. Personagens da cultura pop, do cinema e das histórias em quadrinhos foram inspiração para a exposição “Heróis”, do artista plástico Luiz Rafael, que está disponível no piso L3 do Shopping Moxuara. São mais de 70 peças entre esculturas, dioramas (miniaturas com cenários), estatuetas e pinturas de tecido. O projeto ganhou recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura João Bananeira na ordem de R$ 20 mil. A mostra no local é uma parceria entre a Secretaria Municipal de Cultura (Semcult) e o shopping, que vai acolher até janeiro de 2018 mais dois artistas do município.

Animasom, a mais badalada marca carioca de entretenimento infantil, está no Shopping Praia da Costa

A nova Cidade Animasom, que povoa o imaginário infantil nos shoppings da Zona Sul do Rio de Janeiro, esta funcionando no Shopping Praia da Costa (Vila Velha). Trata-se do maior cidade Animason e vai contar com espaço para recreação e festas em uma área de 800m². Será o maior espaço de recreação indoor e festas boutique do grupo. O espaço é direcionado para crianças de 1 a 10 anos e para os pais destes, que podem deixar os seus filhos em segurança enquanto passeiam pelo shopping. A Cidade Animasom tem estações exclusivas de esporte, tecnologia, sustentabilidade, mobilidade, criatividade, curiosidade, imaginação e energia. Tudo cuidadosamente pensado para estimular o aprendizado, desenvolvimento e diversão das crianças. O objetivo da Animasom é criar uma experiência única a cada visita, sempre com muita alegria.O salão de festas terá capacidade para receber até 250 convidados e contará com sala VIP para os adultos. Todos os serviços de festa estarão incluídos.

O que achou dessa matéria?
[Total: 0 Média: 0]
SHARE

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here